🤖 Inteligência Artificial, a “popstar” do momento

O valor do mercado de IA generativa deve chegar a US$ 1,3 trilhão até 2032, antes apenas US$ 40 bilhões em 2022, de acordo com um relatório da Bloomberg Intelligence.

Projeta-se que o setor tenha uma taxa composta de crescimento anual de 42% na próxima década. Durante esse período, a crescente demanda por produtos de IA generativa pode adicionar cerca de US$ 280 bilhões de nova receita de software, impulsionada por assistentes especializados, novos produtos de infraestrutura e copilotos que aceleram a codificação.

O relatório sugere que empresas como Amazon Web Services, Microsoft, Google e Nvidia podem ser as maiores beneficiárias desse boom de IA, já que as empresas precisam transferir mais cargas de trabalho para a nuvem.

A receita da infraestrutura de IA generativa como serviço, que é usada para treinar grandes modelos de linguagem, deve chegar a US$ 247 bilhões até 2032. Enquanto isso, os anúncios digitais orientados por IA generativa podem arrecadar US$ 192 bilhões em receita até esse ano, enquanto o software assistente de IA generativa pode contribuir com US$ 89 bilhões.

“O mundo está pronto para ver uma explosão de crescimento no setor de IA generativa nos próximos 10 anos que promete mudar fundamentalmente a maneira como o setor de tecnologia opera”, disse Mandeep Singh, autor do relatório e analista sênior de tecnologia da Bloomberg Intelligence, em comunicado à imprensa.

https://www.techinasia.com/generative-ai-to-reach-1-3t-in-revenue-by-2032-bloomberg-intelligence

✨ STARA – A “pop star” agora faz parte de uma banda

Imagem: Ai, Rob̫, Intelig̻ncia artificial РAlexandra_Koch

Você já ouviu falar do termo STARA?

STARA é uma sigla que representa a combinação de quatro elementos: Smart Technology (Tecnologia Inteligente), Artificial Intelligence (Inteligência Artificial), Robotics (Robótica) e Algorithms (Algoritmos). É um conceito – mais amplo e completo que apenas o de Inteligência Artificial – que engloba os avanços tecnológicos e suas implicações na vida profissional e nas organizações. A partir do momento que você passar a considerar estas 4 tecnologias de maneira sinérgica, perceberá o potencial de impacto ainda maior do que somente o da IA.

Uma das maiores questões do nosso tempo: que impacto terá a marcha do STARA no local onde as pessoas trabalham ou como as pessoas trabalham no futuro? Precisamos trabalhar no futuro? Onde eles se encaixam em um mundo de automação?

Prevê-se que a automação impacte as carreiras e o local de trabalho de muitas maneiras, mas é provável que a história real tenha menos a ver com tecnologia e do que como os humanos escolhem usá-la.

Um conjunto de forças complexo, mutável e competitivo determinará a forma que a força de trabalho do futuro tomará. Embora algumas dessas forças sejam evidentes, não podemos prever o ritmo em que elas se manifestarão. À medida que a transição para um local de trabalho automatizado progride, as políticas e leis, os governos que as aplicam e os sentimentos dos consumidores, funcionários e cidadãos influenciarão seu destino.

As carreiras em 2030 serão moldadas pela forma como essa batalha se desenrola. É impossível prever linearmente o que acontecerá quando tantos fatores estiverem em jogo. Organizações, governos, lideranças e indivíduos devem estar preparados para uma ampla gama de resultados, mesmo aqueles que podem parecer improváveis.

💼 Impacto nos empregos

Imagem de Andrea Piacquadio

O Fórum Econômico Mundial alertou que a economia global perderá pelo menos 14 milhões de empregos nos próximos cinco anos, à medida que as economias enfraquecem e as empresas impulsionam a adoção de tecnologias de IA. De acordo com o relatório, quase metade dos empregos nos EUA, por exemplo, enfrentam potencial automação até 2030. 😱 

Isso, segundo especialistas, tem deixado estudantes de diversas instituições de ensino com bons motivos para ficarem ansiosos, já que algumas carreiras serão inviabilizadas.

Esta é uma má notícia para cerca de 500.000 a 800.000 jovens que entram no mercado em busca de empregos ou oportunidades de subsistência a cada ano.

Joanna Baidu, líder de gestão de projetos na África Subsaariana, diz que há um grande desconforto com a ideia de a IA substituir empregos.

Segundo o Instituto do Futuro, 85% dos empregos que existirão em 2030 ainda não foram inventados! Embora seja fácil especular sobre os tipos de empregos que a automação tornará obsoletos, é sem certeza que podemos fazer suposições”, disse Baidu.

Setores como manufatura, bancos, telemarketing e indústria de viagens já estão passando por uma grande disrupção com o aumento do uso de operações orientadas por tecnologia e IA. 🤖

As preocupações em torno do uso da Inteligência Artificial, desde seu potencial uso indevido e implicações éticas até o equilíbrio entre inovação e disrupção, têm girado desde que o ChatGPT se tornou “mainstream”.

No entanto, para combater a tomada de controle da IA, o Talent Gap do PMI prevê um aumento no número de empregos que exigem habilidades orientadas para gerenciamento de projetos devido à maior demanda por conta do crescimento econômico e às taxas de aposentadoria.

Essas tendências criarão uma necessidade global de 25 milhões de novos profissionais de projetos até 2030.

Se os papéis não forem preenchidos, isso pode resultar em uma possível perda de até US$ 345,5 bilhões (R$ 48,1 trilhões) no PIB global.

Baidu observa que, independentemente de como o pêndulo oscila e quais empregos a IA engole, é prudente que os jovens se comprometam com o aprendizado ao longo da vida e a qualificação aprimorada. Os especialistas acreditam que manter-se informado sobre tendências, acesso a recursos de aprendizagem e ser intencional sobre o desenvolvimento profissional dará aos jovens a vantagem de se preparar para o futuro do trabalho. Seguir em frente a adesão a uma associação profissional também tem sido recomendado para estudantes e profissionais em início de carreira.

“Não há como negar que a IA impactará profundamente o futuro do trabalho. As inovações tecnológicas da última década já tornaram caixas bancários, caixas, operadores de telemarketing e agentes de viagens relíquias do passado”, acrescentou Baidu.

Um relatório recente da consultoria Deloitte também alerta que os avanços em IA, computação cognitiva e automação significam que os futuros funcionários precisarão de habilidades extras do que seus antecessores para se manterem competitivos no mercado de trabalho.

“Agora, possivelmente mais do que nunca, parece haver um impulso para que os funcionários tragam suas habilidades “soft” – como criatividade, liderança e pensamento crítico – para o trabalho”, explica a Deloitte no relatório.

https://www.businesslive.co.za/bd/opinion/2023-05-30-joanna-baidu-professional-associations-can-help-the-youth-overcome-ai-anxiety/

STARA – Entendendo um pouco mais de cada tecnologia.

💡 Tecnologia inteligente

Foto de Alex Knight na Unsplash

Comunicação sem fio e sensoriamento inteligente permitem que ambientes de aprendizagem inteligentes detectem o contexto e quantifiquem a atenção dos funcionários. Esses avanços tecnológicos são fundamentais para o desenvolvimento desses ambientes, que combinam dispositivos habilitados por sensores e conectados em rede para melhorar a qualidade de vida dos usuários. Os ambientes inteligentes são impulsionados por áreas como comunicações móveis, sensores sem fio, computação ubíqua, aprendizado de máquina, robótica, tecnologia de middleware, agentes e interfaces humano-computador. Esses ambientes adquirem e aplicam conhecimento de forma autônoma, adaptando-se ao contexto dos funcionários. No entanto, essas mudanças tecnológicas trazem desafios, como a necessidade de reagir rapidamente a alterações que podem afetar negativamente as habilidades cognitivas, a concentração e a produtividade dos colaboradores, especialmente em empregos de escritório, onde as jornadas de trabalho são frequentemente longas.

🤖 Inteligência Artificial

Imagem de Tung Nguyen por Pixabay

As plataformas digitais e a inteligência artificial estão transformando o mundo do trabalho de forma ilimitada. A digitalização da cadeia de valor e a automação das tarefas administrativas são características desse contexto. No entanto, é importante destacar que isso também traz riscos, como a vulnerabilidade a ataques cibernéticos e manipulações em larga escala. As plataformas digitais estão diretamente relacionadas aos dados, influenciando todos os setores, inclusive aqueles centrados no ser humano.

A inteligência artificial, por meio de assistentes digitais e aprendizado de máquina, está se tornando cada vez mais precisa ao utilizar dados e algoritmos para imitar o processo de aprendizagem humano. Ela possui a capacidade de compreender, aprender e agir com base nas informações coletadas. Existem três níveis de inteligência artificial: assistida, aumentada e autônoma.

A utilização da inteligência artificial para processar, analisar e avaliar grandes quantidades de dados pode permitir que as pessoas dediquem mais tempo ao pensamento criativo, tomada de decisões e solução de problemas. O avanço do big data e da tecnologia depende fortemente da inteligência artificial e do aprendizado de máquina, que são áreas multidisciplinares e complexas.

⚙️ Robótica

Foto de Lenny Kuhne na Unsplash

Até recentemente, os robôs eram controlados por humanos, mas agora estão se tornando mais autônomos. Integrar com sucesso os robôs em equipes humano-robô é uma questão importante. Segundo Richards, humanos e robôs podem compartilhar metas por meio de delegação. A potência e capacidade dos robôs têm gerado preocupações sobre a substituição de empregos. O número de robôs vendidos aumentou significativamente. Fábricas encomendaram 39.708 robôs em 2021, 28% a mais do que em 2020, segundo dados compilados da Association for Advancing Automation (Associação para Automação Avançada). O recorde anual anterior de pedidos de robôs era de 2017, com encomenda de 34.904 robôs, avaliados em R$ 1,9 bilhão (R$ 10 bilhões). Os robôs permitem que humanos se afastem de tarefas monótonas, perigosas ou desafiadoras. A robótica avançada levanta questões sobre a integração entre humanos e robôs.

Os projetos modernos de robôs podem se basear em modelos de agentes, conectando-se a outros robôs e a uma rede mais ampla de humanos e máquinas. Os modelos de agentes são usados para simular sistemas complexos e estudar o comportamento coletivo resultante das interações entre os agentes. Essa tendência já está presente em sistemas espaciais avançados, museus e hospitais. No futuro, os ABMs podem ajudar pessoas frágeis ou idosas. Em plantas industriais, robôs trabalharão em equipe com humanos.

A confiança específica é crucial para um bom desempenho de um grupo. À medida que os robôs se tornam mais autônomos, uma relação humano-robô exigirá maior adaptabilidade na atribuição de poder. A forma como os operadores humanos veem os robôs pode ser descendente ou ascendente. A monitoração pode ser necessária à medida que os robôs se tornam autônomos. A presença de robôs em um grupo afetará as relações humanas e a confiança ao longo do tempo. Os robôs podem ser vistos como especialistas sociais, mas há riscos de um grupo se tornar autocontido e limitado em sabedoria.

🖥Algoritmos

Foto de Markus Spiske na Unsplash

Os formuladores de políticas econômicas e de trabalho esperavam que a internet reduzisse os custos de pesquisa e melhorasse os resultados no mercado de trabalho. As recomendações algorítmicas têm sido comuns em plataformas de recrutamento e negociação, mas ainda são pouco utilizadas no mercado de trabalho. Essas recomendações têm a vantagem de incorporar informações desconhecidas pelas partes envolvidas e ter custo marginal zero. No entanto, pesquisas mostram que as recomendações não têm um impacto significativo na melhoria das contratações. Os psicólogos industriais desempenham um papel importante na avaliação de qualidades difíceis de serem capturadas por modelos estatísticos na seleção de candidatos. As recomendações podem levar a preferências injustas por certos funcionários, o que pode excluir outros candidatos. No entanto, estudos mostram que as recomendações algorítmicas podem ser eficazes para aumentar a contratação de candidatos de alta qualidade. As plataformas de recrutamento têm um papel cada vez mais importante no mercado de trabalho, coletando dados e controlando a visibilidade dos participantes. Essas mudanças têm consequências profundas em termos de equidade e eficiência no mercado de trabalho.

📝 CONSIDERAÇÕES FINAIS – Como me preparar para este contexto?

O termo Stara ganhou, em vários trabalhos publicados, um complemento: “Stara Awareness”, que pode ser considerado um novo indicador para captar até que ponto os funcionários sentem que seu trabalho pode ser substituído por esses tipos de tecnologia. Entre eles:

https://www.cambridge.org/core/journals/journal-of-management-and-organization/article/smart-technology-artificial-intelligence-robotics-and-algorithms-stara-employees-perceptions-of-our-future-workplace/

https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/frai.2022.913168/full

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC9915176/

Acredito que a preparação para este contexto começa por uma conscientização de uma realidade que não irá retroceder. As tecnologias que estão aqui descritas serão nossas companheiras pelo restante de nossas vidas.

Na verdade, o que menos importa é se queremos e gostamos ou não. Viveremos melhor se nos prepararmos para convivermos com elas. Quanto mais as conhecermos, melhor saberemos como e quando aplicá-las e poderemos colher muito mais frutos do que aqueles que estão assistindo as oportunidades passarem sem reações.

Utilize-as para construir o futuro que você deseja. Tenho certeza que irá valer a pena.

Compartilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Picture of Renato Grau

Renato Grau

Engenheiro, futurista e especialista em Transformação Digital

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social Media

Most Popular

Categories

Receba as últimas atualizações

Assine nossa newsletter semanal

Sem spam, você receberá apenas conteúdos relevantes para você