🌤️Casa Branca estuda bloqueio de raios solares para desacelerar aquecimento global

Na Carta de hoje, começo com a galera do Biden que está com a ideia de bloquear a luz solar para diminuir o aquecimento global. E como neste tema, as tecnologias limpas podem ser a solução mais viável, falo da possibilidade de extração de energia elétrica do ar e do enorme depósito de minério descoberto que pode resolver problemas de energia por um século. Daí passo pelas dificuldades das fazendas verticais se pagarem e pelo raio laser mortal – mas só para as ervas daninhas -. Ainda comento sobre o recorde de velocidade de novos trens e do primeiro carro voador legalmente autorizado nos EUA e finalizo com a nova polêmica do Google, que quer usar todos os nossos dados para alimentar a sua IA… ðŸ˜¡

Bora lá???

☀ Casa Branca estuda bloqueio de raios solares para desacelerar aquecimento global

A administração Biden nos Estados Unidos endossou cautelosamente a ideia de estudar como bloquear a luz solar de atingir a superfície da Terra como uma maneira de limitar o aquecimento global. Isso foi revelado em um relatório realizado pelo Congresso, que pode ajudar a trazer esforços que antes eram considerados ficção científica para o reino do debate legítimo.

 O conceito controverso, conhecido como modificação da radiação solar, é considerado uma resposta potencialmente eficaz ao combate às mudanças climáticas. No entanto, alguns cientistas alertam que isso pode ter efeitos colaterais desconhecidos, resultantes da alteração da composição química da atmosfera.

 O relatório da Casa Branca indica a possibilidade de que alterar a luz solar possa resfriar rapidamente o planeta. No entanto, o relatório acrescentou um grau de ceticismo, observando que o Congresso ordenou a revisão e que a administração não sinalizou nenhuma nova decisão de política relacionada a um processo às vezes referido como geoengenharia.

 O relatório da Casa Branca afirma: “Um programa de pesquisa sobre as implicações científicas e sociais da Modificação da Radiação Solar (SRM) permitiria decisões mais bem informadas sobre os riscos e benefícios potenciais da SRM como componente da política climática, ao lado dos elementos fundamentais de mitigação de emissões de gases de efeito estufa e adaptação”.

O relatório considera algumas maneiras plausíveis de limitar a quantidade de luz solar que atinge a Terra, todas as quais podem ter desvantagens significativas. Um método é multiplicar a quantidade de aerossóis na estratosfera para refletir os raios solares para longe do planeta, um processo que pode ocorrer naturalmente após uma grande erupção vulcânica. Outros incluem aumentar a cobertura de nuvens sobre os oceanos ou reduzir a quantidade de nuvens cirrus em alta altitude.

 Existem riscos associados a cada forma de modificação da radiação solar, que podem afetar a saúde humana, a biodiversidade e a geopolítica. Isso ocorre porque a modificação da luz solar pode alterar os padrões climáticos globais, interromper o fornecimento de alimentos e levar a um aquecimento abrupto se a prática for amplamente implantada e depois interrompida.

 Ao mesmo tempo, a Casa Branca enfatizou ser importante comparar essas incertezas com os perigos presentes associados a um planeta mais quente além de ter afirmado que qualquer  modificação da radiação solar deve ser realizada com “cooperação internacional apropriada”. Aliás, o que eu concordo integralmente!

Fonte: https://www.eenews.net/articles/white-house-cautiously-opens-the-door-to-study-blocking-suns-rays-to-slow-global-warming/

💡Extração de Eletricidade do Ar & Minério para Energia Limpa por um Século

Em meio à crescente necessidade de tecnologias de energia limpa para combater as mudanças climáticas, descobertas recentes trazem novas esperanças. Pesquisadores da Universidade de Massachusetts Amherst desenvolveram uma técnica para extrair eletricidade da umidade do ar, enquanto a Norge Mining, uma empresa norueguesa, descobriu um imenso depósito de rocha fosfática que pode sustentar a demanda global de componentes críticos para tecnologias verdes.

A equipe da Universidade de Massachusetts Amherst está explorando o potencial da higroeletricidade – a eletricidade gerada a partir da umidade do ar. A ideia remonta aos sonhos do inventor Nikola Tesla de extrair eletricidade gratuita do ar. A equipe de pesquisa desenvolveu um dispositivo capaz de gerar cerca de um microwatt de energia, iluminando um único pixel em uma tela LED, usando a umidade do ar. O potencial desta tecnologia é significativo, com o projeto Catcher, liderado pela Professora Svitlana Lyubchyk e seus filhos, procurando aumentar a potência gerada através da empilhagem de vários dispositivos. Embora a tecnologia esteja em seus estágios iniciais e enfrente desafios, como a prevenção da contaminação microbiana e a necessidade de produção em larga escala, o potencial para transformar a umidade atmosférica em energia renovável é inegável.

 Por outro lado, a Norge Mining, uma empresa norueguesa, descobriu um enorme depósito subterrâneo de rocha fosfática, essencial na produção de fósforo para a indústria de fertilizantes e utilizado na fabricação de painéis solares, baterias de fosfato de ferro e lítio (LFP) para carros elétricos, semicondutores e chips de computador. O depósito, estimado em pelo menos 70 bilhões de toneladas, é grande o suficiente para satisfazer a demanda mundial pelos próximos 100 anos. Essa descoberta na Noruega é especialmente significativa, pois as reservas de rocha fosfática de alta qualidade estão em declínio e estão predominantemente concentradas fora da Europa.

 Ambas as descobertas representam avanços promissores na busca por fontes de energia renováveis e sustentáveis. No entanto, é importante reconhecer que essas tecnologias estão em seu início, e a realização de seu potencial total dependerá da superação de desafios técnicos e econômicos. Mas, esses avanços demonstram o progresso contínuo na jornada para um futuro mais verde e sustentável. 🚀🌱

Fonte: https://www.theguardian.com/science/2023/jul/02/it-was-an-accident-the-scientists-who-have-turned-humid-air-into-renewable-power)

🌱Inovações em Tecnologia Agrícola: Entre os Lasers Contra Ervas Daninhas e os Desafios das Fazendas Verticais

 O mundo da agricultura está testemunhando uma infusão de novas tecnologias, abrindo caminho para práticas agrícolas mais sustentáveis e eficientes. No entanto, a implementação bem-sucedida dessas inovações ainda enfrenta desafios significativos. Neste artigo, examinaremos duas dessas inovações revolucionárias – um laser autônomo para erradicar ervas daninhas e a ascensão e os desafios das fazendas verticais.

 A empresa Carbon Robotics, de Seattle, desenvolveu um sistema inovador conhecido como LaserWeeder, que usa lasers para eliminar ervas daninhas em fazendas. Essas plantas indesejadas não apenas tiram os nutrientes dos cultivos destinados ao consumo humano, mas também representam um ônus financeiro para os agricultores e podem desenvolver resistência a herbicidas, levando ao uso de produtos químicos mais potentes. O LaserWeeder, que é capaz de eliminar 200.000 ervas daninhas por hora – um feito 80 vezes mais rápido do que o trabalho manual – oferece uma solução ecológica e econômica para esse problema, evitando a pulverização de produtos químicos nas lavouras e conservando os recursos do solo ☺️.

Em contrapartida, as fazendas verticais, apesar de sua promessa de economizar água, prevenir a poluição por pesticidas e evitar condições climáticas extremas, enfrentam um obstáculo considerável: seu enorme consumo de eletricidade. Um exemplo notável disso é a AeroFarms, que construiu a maior fazenda vertical do mundo em Newark, economizando 99% de terra e 95% de água em comparação com as fazendas tradicionais. No entanto, apesar de seus esforços inovadores, a AeroFarms entrou com pedido de falência devido ao alto custo dos LEDs utilizados em seu sistema, que consomem significativamente mais energia do que a luz solar.

Essas fazendas verticais têm o potencial de produzir mais alimentos com menos terra, o que é vantajoso em um mundo que enfrenta secas crescentes. Porém, atualmente, as fazendas verticais se concentram principalmente no cultivo de vegetais folhosos – itens de alta margem e baixa caloria. Para impactar a segurança alimentar em todo o mundo, seria necessário descobrir como cultivar grãos básicos, como arroz, milho e trigo, em ambientes internos e a um custo razoável.

Ambas as inovações destacam a necessidade constante de equilibrar a eficiência agrícola com a sustentabilidade ambiental. As soluções futuras exigirão um compromisso contínuo com a inovação tecnológica, bem como uma consideração cuidadosa das limitações econômicas e ecológicas.

Fonte: https://www.freethink.com/series/hard-reset/laser-weeding

https://www.canarymedia.com/articles/food

🚗🚄 O Futuro do Transporte: Carros Voadores Elétricos e Trens de Alta Velocidade

As novas fronteiras da mobilidade estão se abrindo com o surgimento de tecnologias inovadoras que prometem transformar nossa maneira de viajar. Duas dessas inovações em destaque incluem um carro elétrico voador autorizado oficialmente nos EUA e um trem de alta velocidade na China que quebrou recordes de velocidade.

A Alef Aeronautics, uma empresa californiana focada em mobilidade sustentável, obteve uma certificação especial de aeronavegabilidade da Administração Federal de Aviação (FAA) dos EUA para seu carro elétrico voador, o “Model A”. O veículo, que pode ser conduzido em vias públicas por até 200 milhas (322 km) e decolar verticalmente para voar por 110 milhas (177 km), representa um salto significativo na combinação de transporte terrestre e aéreo.

Com um design de cabine rotativa, que oferece vistas panorâmicas de 180 graus, o “Model A” tem capacidade para duas pessoas e está disponível por um preço de cerca de 300.000 dólares. A Alef vê seu veículo como um meio de transporte mais rápido e ecologicamente correto, capaz de economizar tempo valioso para indivíduos e empresas.

https://www.linkedin.com/embeds/publishingEmbed.html?articleId=7388518115281528241&li_theme=light

Enquanto isso, na China, um trem de alta velocidade atingiu um novo recorde de 281 milhas (453 km) por hora durante um teste, com uma velocidade relativa de 553 milhas (891 km) por hora quando dois trens se movem em direções opostas. Estes trens eletrificados e eficientes em termos de energia podem oferecer alternativas sustentáveis ao transporte aéreo, especialmente em um momento em que a redução das emissões de carbono é uma prioridade global.

 Além de serem ecologicamente corretos, os trens de alta velocidade podem efetivamente reduzir o tempo de viagem. Por exemplo, a distância entre Pequim e Xangai poderia ser percorrida em apenas 2,5 horas a uma velocidade de 248 milhas (400 km) por hora, similar ao tempo de um voo.

Ambas as inovações representam avanços significativos no transporte, enfatizando a necessidade contínua de explorar e adotar tecnologias emergentes para criar soluções de transporte mais eficientes, rápidas e sustentáveis.

Fonte: https://www.foxbusiness.com/technology/worlds-first-fully-electric-flying-car-approved-by-faa-accepting-preorders

https://interestingengineering.com/innovation/worlds-fastest-281-mph-cr450-chinese-maglev-train

🌐 Google diz que vai coletar tudo o que você postar online para a sua Inteligência Artificial

Uma atualização na política de privacidade do Google deu o que falar, pois a empresa reserva-se o direito de coletar praticamente tudo o que você posta online para construir suas ferramentas de IA. 😳 Se o Google pode ler suas palavras, presume-se que elas pertençam à empresa e que estejam sendo usadas em algum lugar dentro de um chatbot. Aqui estão os principais pontos abordados no artigo:

  1. Atualização da Política de Privacidade: O Google atualizou sua política de privacidade, afirmando explicitamente que a empresa reserva o direito de coletar informações postadas online para construir suas ferramentas de IA. Isso inclui informações publicamente disponíveis que são usadas para treinar modelos de IA do Google e construir produtos e recursos como Google Translate, Bard e capacidades de Cloud AI.
  2. Questões de Privacidade: A prática levanta novas questões de privacidade. As pessoas geralmente entendem que postagens públicas são públicas, mas agora é necessário um novo modelo mental do que significa escrever algo online. Não é mais uma questão de quem pode ver a informação, mas de como ela pode ser usada.
  3. Fontes de Dados para Chatbots: Empresas, incluindo Google e OpenAI, coletaram grandes partes da internet para alimentar seus chatbots. Não está claro se isso é legal, e nos próximos anos os tribunais provavelmente lidarão com questões de direitos autorais que pareceriam ficção científica há alguns anos.
  4. Mudanças em Plataformas de Mídia Social: O Twitter e o Reddit fizeram mudanças controversas para bloquear suas plataformas. Ambas as empresas desativaram o acesso gratuito às suas APIs, o que permitia que qualquer pessoa baixasse grandes quantidades de postagens. Isso foi feito para proteger os sites de mídia social de outras empresas que coletam sua propriedade intelectual, mas teve outras consequências, como quebrar ferramentas de terceiros que muitas pessoas usavam para acessar esses sites.

 Iniciativas como esta acabam fortalecendo as ideias de que a descentralização da internet, representada pelo conceito da Web3, é muito importante. Eu também acho, como usuário, que sou o proprietário de meus dados e devo ter autonomia para fazer o que bem entender com eles. E você? 🤔

Fonte: https://gizmodo.com/google-says-itll-scrape-everything-you-post-online-for-1850601486


Espero que a minha Carta de hoje tenha trazido muitas novidades e gerado muitas reflexões. Aliás, se você quer contar comigo para, identificarmos juntos dores reais da sua organização e desenvolvermos soluções – principalmente tecnológicas – que possam ajudar a melhorar os resultados do seu negócio, mande uma mensagem para renatograu@innovision.com.br ou por qualquer um dos meus canais.

Lembre-se que, “Futuro não se espera, futuro se constrói”. Conte comigo e com o time da Innovision para construir o da sua organização!

Compartilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Renato Grau

Renato Grau

Engenheiro, futurista e especialista em Transformação Digital

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social Media

Most Popular

Categories

Receba as últimas atualizações

Assine nossa newsletter semanal

Sem spam, você receberá apenas conteúdos relevantes para você